Ref. :  000016999
Date :  2005-01-30
Language :  Portuguese
Home Page / The whole website
fr / es / de / po / en

Os fóruns de Porto Alegre e Davos no divã

O Fórum Social luta contra a fragmentação de temas, e o Fórum Econômico se soma ao discurso de combate à pobreza


Criado com a determinação de mudar o mundo, até agora foi o Fórum Social Mundial que passou pelas maiores transformações.

O principal encontro da esquerda enfrenta hoje sua mais aguda crise de identidade desde a fundação, em 2001.

O Fórum nasceu como enclave anti-Davos - o encontro da elite econômica mundial na Suíça - e já teve como marcas o combate ao mercado financeiro e à guerra no Oriente Médio. Em sua quinta edição, este ano, deixou de ostentar uma bandeira principal e procura uma nova forma de organização.

Um dos idealizadores do evento, o sociólogo Emir Sader, é um dos críticos do modelo atual, com eixos temáticos independentes e sem os chamados testemunhos, nos quais palestrantes célebres atacavam a política americana diante de platéias lotadas.

- Começamos com a idéia de oferecer uma alternativa. Depois, nos mobilizamos contra a guerra. Agora, existe uma fragmentação das temáticas, não temos um balanço geral do movimento - condena Sader.

A participação de antigos ícones também sofreu mudanças. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, recebeu vaias este ano. Ativistas como o francês José Bové e a líder das Mães da Praça de Maio, Hebe de Bonafini, sequer viajaram a Porto Alegre. O jornal francês Libération apontou a ausência de pesos-pesados da política mundial em Porto Alegre.

Os organizadores concluíram que, para mudar o mundo, será necessário mudar ainda mais o Fórum. A sugestão de Lula de se estabelecer uma colaboração entre as reuniões de Porto Alegre e Davos, entretanto, não é bem recebida.

- Aquilo (Davos) é um empreendimento, um negócio. Tem um presidente, uma diretoria. Aqui, são pessoas que conversam - avalia o empresário e membro da organização do Fórum Oded Grajew, ex-assessor especial de Lula.

A solução mais aceita pelos promotores do Fórum para permitir uma maior participação nos encontros e a concretização das propostas apresentadas é a regionalização do evento.

- É difícil custear um evento anual desses e mobilizar as pessoas em torno de ações concretas. Fica mais fácil por meio de discussões regionalizadas - explica Sader.

No caso da América do Sul, uma das possibilidades aventadas nos bastidores é a realização de um fórum regional em Caracas, na Venezuela, em janeiro do ano que vem - o que frustraria a esperança de que Porto Alegre volte a abrigar a esquerda internacional em curto prazo.

A decisão final sobre os rumos do movimento antiglobalização deverá sair somente dentro de dois meses, depois de nova reunião. Em busca de uma maior efetividade - o que Davos, seus líderes mundiais e bilhões de dólares têm de sobra -, os organizadores terão de dar uma resposta definitiva à questão: um outro Fórum é possível?

Quais seriam as conseqüências se em janeiro Davos ardesse ao sol e os telhados de Porto Alegre ficassem cobertos de neve? Veterano do encontro anual na Suíça, o conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais, Roberto Teixeira da Costa, diz que não consegue evitar a questão ao comparar os dois encontros. Talvez houvesse menos festividade na Capital, responde. E na gelada Davos?

As montanhas suíças continuam com uma grossa camada de neve, mas a reunião da elite financeira internacional está mais próxima das barracas brancas da orla do Guaíba. E não é só pelo fato de que, desde o ano passado, a comissão organizadora proibiu gravatas nas reuniões que, de resto, continuam no pescoço de muitos dos cerca de 2 mil participantes. Na edição deste ano, as mensagens de Davos exortam à necessidade de combater a pobreza - o mais importante assunto em Porto Alegre. Para Teixeira da Costa, no entanto, esse deve ser o máximo de aproximação entre os dois fóruns.

- Vejo mais chances de Davos chegar ao lado social do que o Fórum Social dar ênfase aos princípios do Fórum Econômico. O tsunami (maremoto que devastou a Ásia nos últimas dias de 2004) teve um efeito sobre os corações e mentes. O establishment percebeu que é preciso fazer algo pelos pobres, não só pelo aspecto humanitário, mas também por questões de segurança e de sustentação do ritmo de crescimento da economia mundial - analisa o economista.

Desde que ganhou o contraponto do lado de baixo do Equador, Klaus Schwab, o fundador do Fórum Econômico Mundial providenciou maior presença de ONGs na programação. Celebridades engajadas em causas humanitárias desfilam com mais freqüência sob o fundo azul das salas de debates.

Há semelhanças com Porto Alegre. Nas programações paralelas de Davos, há oficinas sobre todo tipo de assunto. Pode-se aprender a importância do sono. E sentar ao lado do megainvestidor George Soros numa palestra sobre memória ou sobre o futuro dos museus.

- Fóruns não são para tomar decisões, mas para fomentar o debate - diz o ex-embaixador Rubens Barbosa.

Barbosa enxerga complementaridade nas duas agendas, resultado de fenômenos como o agravamento da fome no continente africano.


Opiniões

"Sem uma visão geral, transversal, o movimento acaba se fragmentando. As ONGs não têm visão política, são regionalizadas." Emir Sader, sociólogo

"Não adianta ficar autoritário e centralizador. Não dá para pensar um novo mundo sem abrir espaço para a diversidade." Oded Grajew, empresário e idealizador do Fórum Social

"A discussão sobre os campos comuns possíveis entre o Fórum de Porto Alegre e o de Davos é uma missão compreendida nessa visão coletiva." Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República

"Davos tem uma agenda que coincide com a de Porto Alegre porque ambos tratam de como aliviar a pobreza. Mas o tratamento é diferenciado. Um reúne economistas, líderes mundiais. Em Porto Alegre, há maior presença de ONGs mais radicais." Rubens Barbosa, ex-embaixador brasileiro em Washington

"Este ano, ficou mais evidente o complexo de culpa da elite. Caiu a ficha." Roberto Teixeira da Costa, conselheiro do Centro Brasileiro de Relações Exteriores


A curta trajetória do fórum social

- 2001
Em janeiro, o Fórum Social Mundial é lançado como um contraponto ao Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suíça, e abarca atos polêmicos: o agricultor e sindicalista José Bové participa da destruição de dois hectares de soja geneticamente modificada no município de Não-Me-Toque. No diia 28, uma teleconferência de contato entre Porto Alegre e Davos (foto) acaba em bate-boca entre a líder das Mães da Praça de Maio Hebe de Bonafini e o megaespeculador George Soros.

- 2002
Depois da repercussão do primeiro encontro, a segunda edição do Fórum amplia a atenção internacional e atrai nomes como Noam Chomsky, Adolfo Pérez Esquivel e Baltazar Garzón. O Fórum é aberto com uma marcha pela paz.

- 2003
O recém-empossado presidente Luiz Inácio Lula da Silva transforma-se na grande estrela do Fórum e é ovacionado no primeiro dia de debates do evento, em um discurso no Anfiteatro Pôr-do-Sol.

- 2004
Depois de três edições realizadas em Porto Alegre, o Fórum se muda para Mumbai, na Índia. Em uma versão mais compacta e menos pretensiosa, se realiza como uma tentativa de aproximar o encontro das populações e organizações mais pobres da Ásia.

- 2005
A volta a Porto Alegre marca o fim de uma era do Fórum Social Mundial. Sem uma grande bandeira e em busca de novos formatos, o encontro se divide em discussões temáticas e anuncia que vai se tornar itinerante e, provavelmente, regionalizado.


A longa marcha do fórum econômico

- 1970
Um encontro informal de chefes de Estado em Davos, promovido pelo professor de administração suíço Klaus Schwab, é o embrião do Fórum Econômico Mundial.

- 1971
A glamourosa estação de esqui suíça abriga o Simpósio de Davos, patrocinado por instituições e fundações européias. Empresários e executivos são convidados. O encontro passa a ser anual.

- 1987
O ministro do Exterior da Alemanha, Hans-Dietrich Genscher, pede aos participantes que "dêem uma chance ao presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachev", marcando o começo do fim da Guerra Fria.

- 1992
O presidente da África do Sul, Frederik de Klerk , e o então ativista Nelson Mandela se encontram pela primeira vez fora do país.

- 1999
O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, conclama empresas privadas de todo o mundo a aderirem aos princípios do Global Compact, tratado das Nações Unidas sobre direitos humanos.

- 2001
Depois da explosão de conflitos com manifestantes contrários à globalização, em 2000, em Seattle (EUA), a programação do Fórum Econômico inclui como se relacionar com as ONGs.

- 2002
Pela primeira vez, a sede do encontro é transferida para Nova York, em solidariedade à cidade depois dos atentados de 11 de setembro de 2001.

- 2003
Recessão global e uma possível invasão do Iraque dominam a agenda do encontro, marcado por choques entre a polícia e manifestantes antiglobalização. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa pela primeira vez do evento.

- 2004
Os escândalos financeiros das grandes corporações privadas e o déficit dos Estados Unidos dividem os holofotes com a China. Davos é novamente uma área de segurança máxima, com grande número de policiais nas ruas. É proibido o uso de gravatas.


Rate this content
 
 
 
Average of 39 ratings 
Rating 1.82 / 4 MoyenMoyenMoyenMoyen
Same author:
 flecheSaramago, José
 flecheO encontro na ótica da imprensa
 flecheDavos aplaude a mensagem de Lula
 flecheLula at the World Social Forum
 flecheIntelectuais pedem mudanças em organismos mundiais
 flecheSindicatos de todo o mundo planejam central sindical única
 flecheFSM 2005 – Concert d’ouverture
 flecheFSM 2005 – Camp de la Jeunesse 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 2
 flecheFSM: Um outro mundo pede passagem
 flecheEvento começa nesta quarta em clima de despedida
 flecheDois lados
 flecheNoam Chomsky é uma das estrelas do FSM 2003
 flecheHugo Chávez agita o Fórum Social Mundial
 flecheMeeting
 flecheConfusão na abertura do Fórum
 flechePortas abertas a chefes de Estado
 flecheParticipação de Lula no WEF gera polêmica
 flecheOrganizadores discutem o futuro do Fórum Social Mundial
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 25 países
 flecheAcesso universal à escola custaria US$ 11 bilhões
 fleche"Esperamos que seja a única vez que Lula vá a Davos"
 flecheTenda gigante para receber as estrelas
 flecheGrito dos Excluídos reúne milhares em todo o país
 flechePorto Alegre sedia debates sobre a cultura mundial
 flecheOs temas ocultos da Rio+10
 flecheUm Profeta em Porto Alegre
 flecheFórum Social Mundial produz "calendário de resistência"
 flecheÍndia quer ser sede do Fórum em 2004
 flecheDebate sobre Taxa Tobin chega à exaustão
 flecheChomsky abre conferências sobre a paz
 flecheAtaque a carro-forte tumultua Fórum Social Mundial
 flechePrefeitos lançam rede de cidades
 flecheEsquivel e Karlsson falam sobre globalização
 flecheFórum Social Mundial começa hoje
 flecheGovernador abre as portas do Estado para o Fórum Social Mundial
 flecheJosé Bové desembarca em Porto Alegre
 flecheArgentina em pauta no Fórum Econômico Mundial
 flecheGoverno reforça esquema de segurança durante Fórum Mundial Social
 flecheMST confima presença de José Bové em Porto Alegre
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 26 países
 flecheEvento discutirá os caminhos da paz
 flecheFórum Mundial reúne educadores a partir desta quarta na Capital
 flecheCúpula das Américas marca novo encontro na Argentina
 flecheReunião de cúpula da Alca começa nesta sexta
 flecheAlca excluirá países não-democráticos
 flecheManifestantes destróem lavoura transgênica
 flecheOs idiomas do neoliberalismo
 flecheMultipolaridade e monopolaridade
 flecheFórum Econômico Mundial de Davos termina com importante avanço
 flecheMarcha contra o Neoliberalismo agita Porto Alegre
 flecheComo Mediar os Conflitos e Construir a Paz?
 fleche"Não venderemos o sangue dos nossos filhos"
 fleche"Como Fortalecer a Capacidade de Ação das Sociedades e a Construção do Espaço Público"
 flecheMinistro francês propõe parceria entre Davos e Porto Alegre
 flecheEl portal por un mundo mejor
 flecheFórum Social Mundial começa com polêmica
 flecheFernando Henrique Cardoso e o Fórum Social: Não dá para quebrar máquinas
 flecheSuíços se dividem entre Davos e Porto Alegre
 flecheAs senhas do Fórum
 flecheAquí un mundo mejor ja es posible
 flecheJournal quotidien de l'Etat de Rio Grande do Sul
 flecheUm acampamento contra o tédio
 flecheFórum pela Inclusão Social
 flecheGoverno francês vai a Fórum em Porto Alegre
 flecheOs gerentes do mundo se encontram em Davos
 flecheFórum vai além da estatização
13
SEARCH
Keywords   go
in