Ref. :  000029101
Date :  2008-03-28
Language :  Portuguese
Home Page / The whole website
fr / es / de / po / en

Dez teses sobre o sentido e a orientação atuais da pesquisa sobre as globalizações

Este texto foi redigido como resposta a uma demanda amigável do Professor Endre Kiss. Ele foi discutido na conferência da ENG em Fürstenfeld, nos dias 28 e 29 de março de 2008.


Tese n° 1:

As questões globais, os estudos e as pesquisas sobre as globalizações não estão nem obsoletos, nem ultrapassados — longe disto. Quanto mais “a globalização” é percebida como um simples “fato” ao qual deveríamos apenas nos adaptar, mais ela se revela como um conceito suspeito, ambíguo e falacioso diante do qual é preciso mobilizar todos os recursos críticos da filosofia e das ciências humanas.

Tese n° 2:

O slogan exaltando “o fim da globalização” deve ser considerado como a expressão, por seus promotores, do seguinte desejo: de que com esse decreto da morte da globalização chega ao fim toda pesquisa crítica, toda abordagem comparativa, toda busca filosófica e, enfim, toda reavaliação científica dos diferentes processos e figuras conflitantes da “globalização”.

Tese n° 3:

Muito pelo contrário, devemos apoiar o ponto de vista de acordo com o qual esse vasto domínio dos “Estudos e pesquisas sobre as globalizações” – área que começou a ser investida pelo pensamento crítico há menos de uma década – encontra-se atualmente apenas em sua fase inicial.

Tese n° 4:

Não podemos negligenciar o aporte, para esse campo de pesquisa, das diferentes contribuições individuais e coletivas, de origem universitária ou não, que surgiram no mundo inteiro, nos dez últimos anos: a saber, um trabalho de desconstrução (de cada sub-área) já impressionante, associado a um debate conceitual solidamente embasado, e depois completado por uma reformulação essencial do léxico das globalizações e, portanto, de seu dicionário.

Tese n° 5:

Os limites aos quais se viu confrontado esse movimento multilateral, transnacional e transdisciplinar de avaliação crítica, fracamente organizado, mas animado e produtivo, foram especialmente: i) uma circulação insuficiente dos conceitos e dos resultados da pesquisa no âmbito das esferas mediática, política e econômica, e, correlativamente, ii) uma fraca capacidade de modificar os paradigmas normativos sobre “a globalização” utilizados pelos jornalistas, bem como pelos dirigentes políticos e econômicos – e, consequentemente: a suscitar uma verdadeira inflexão de sua visão e de sua gestão dos “negócios globais”.


Tese n° 6:

O futuro dos “Estudos e pesquisas sobre as globalizações” não está absolutamente assegurado, inicialmente devido ao contexto lembrado na Tese n° 2. Não apenas essa área de estudos e de pesquisas motiva muito pouco as pessoas – inclusive no âmbito da comunidade acadêmica –, mas ela também é amplamente considerada como inútil, inclusive entre os grupos ditos “progressistas”. Essa constatação implica em que a próxima etapa deva ser articulada a partir de uma estratégia ofensiva, visando, por um lado, a fazer circular os conceitos-chave desenvolvidos ao longo da última década e, por outro lado, a convencer um número crescente de pessoas sobre a pertinência e a utilidade da pesquisa sobre as globalizações.

Tese n° 7:

O exigente e considerável esforço transdisciplinar que isso requer consiste numa séria limitação à expansão dessa área de pesquisa. Efetivamente, não vivemos mais na época de Diderot, Condorcet, Kant, Hegel e de seus semelhantes que estariam bem melhor aparelhados do que nós para “pensar as globalizações”, devido à característica plural do seu Bildung. A partir disso, duas condições parecem cruciais para o desenvolvimento da pesquisa sobre as globalizações: por um lado, i) que aqueles que a empreendem se tornem, eles próprios, cada vez mais “transdisciplinares”; por outro lado, ii) que se consiga convencer as Universidades hostis a modificar sua atitude em relação aos estudos transdisciplinares, de modo que estes favoreçam particularmente aqueles que estão implicados nos estudos sobre as globalizações.

Tese n° 8:

Enfatizar a questão do multilingüismo é essencial, a fim de permitir que a pesquisa sobre as globalizações se desenvolva fora dos seus caminhos normativos. Parece, efetivamente, cada dia mais problemático abordar as questões globais apenas através das vias lingüísticas do inglês, do alemão ou do francês. “Globe”, “Welt”, “monde”, “globalisation”, “mondialisation”, assim como sua tradução em outras línguas indo-européias, devem assim ser confrontados de modo durável com seus “equivalentes” e “diferentes” nas tradições budista, islâmica, Guarani, Yoruba ou Inuit.

Tese n° 9:

Nunca devemos esquecer que “a globalização” é uma questão cultural – ou seja: i) em primeiro lugar, uma questão cultural, e ii) uma questão cultural. Em primeiro lugar significa que a percepção, a compreensão e a descrição da “globalização” é cultural antes de ser econômica, política, social. Cultural significa que a substância, as características ou a evolução da “globalização” estão intimamente ligadas às referências culturais e aos debates culturais de nossas sociedades.

Tese n° 10:

O futuro dos “Estudos e pesquisas sobre as globalizações” não está determinado. De agora em diante, ele parece até mesmo estar “em aberto”. Entretanto, ele será rapidamente julgado sobre a capacidade dos estudos e pesquisas a esse respeito, de modificar em profundidade o julgamento dos líderes que não pertencem ao “mundo intelectual” em relação aos diversos e contraditórios projetos de globalização. E sobre sua capacidade de fornecer a esses líderes razões objetivas e sérias para privilegiar a emergência de um autêntico “cidadão cosmopolítico” ao invés de um “consumidor global”.


O que continua em jogo nesse processo é a compreensão partilhada da diferença ontológica entre, de um lado, um verdadeiro “mundo” (mundus politicus) de globalizações plurais e diversas, e, por outro lado, um “globo” uniforme no qual reine apenas uma mesma e letal forma de globalização.



Tradução: Giselle Dupin


Rate this content
 
 
 
Average of 135 ratings 
Rating 2.33 / 4 MoyenMoyenMoyenMoyen
Same author:
 flecheLeçons de la « Grippe espagnole » de 1918-1919
 flecheL’intelligence de la bibliothèque publique
 flecheTriomphe de la post-citoyenneté
 flechePublication de L'Homme post-numérique
 flecheCharlie : comment répondre au défi ?
 flecheDigital Domination
 flecheAcerca de los Megaproyectos en Uruguay
 flecheEurope, Maghreb, Machrek : Que faire ensemble du monde euro-méditerranéen, maintenant et pour les dix prochaines années ?
 flecheWhy the need for a Universal Declaration of Democracy?
 flecheThe meaning of “carnage”?
 flecheLa « culture numérique » : à problématique « nouvelle », approches et solutions différentes ?
 flechePiratage (Modifier l'approche du ---)
 flecheDiversité culturelle et dialogue interculturel : confusion ou exigence ?
 flechePiratage (modifier l’approche du ---)
 flecheRéévaluer « l’économie de la création » à l’âge de la dématérialisation numérique
 flecheAbstract of a keynote speech at the "Dialogos da Terra no Planeta Agua" (November 26-28, Minas Gerais - Brazil)
 flecheCosmopolitical approach to Water
 fleche« Fin d’un monde » ou crise de son modèle ?
 flecheLa culture pour rendre le monde vivable
 flecheTransparence (Révélation de l’opacité, mondialisation de la --- ?)
 flechePour une éducation à la diversité culturelle et au dialogue interculturel
 flecheTravail et emploi : la confusion permanente
 flecheCultural diversity
 flecheLa Convention sur la diversité culturelle reste à mettre en œuvre!
4 tâches prioritaires pour la société civile

 flecheCultures et mondialisations : les sons de la diversité

 flechePhilosophie des mondialisations et mondialisation de la philosophie

 flecheLaw of Globalization and/or globalization(s) of Law ?
 flecheAltermondialisation
 flechePauvreté et Violence
 flecheDiversité culturelle : un projet cosmopolitique
 flecheFor an offensive concept of cultural diversity
 flecheCultural diversity, globalisation and mondialisations
 flecheLa Puissance du rituel mondial
 flecheWord Social Forum n°5 : A trial of truth
 flecheComercio de la democracia, democracia del Comercio
 flecheOMC : la refondation ou la fin ?
 flecheFor a reassessment of the concept of cultural diversity
 flecheWar, the supreme stage of poverty?


 fleche‘Fight against poverty’: for a new order


 flecheGlobal and mondial
 flecheTowards a philosophical pedagogy of NICTs
 flecheThe critical sharing of globalisation(s) could be achieved by appropriate intercultural education and training
 flecheAway with "anti-globalisation"
 flecheJohannesburg (Le risque de...)
 flecheQue peut être "l'exception culturelle" ?
 flecheLa diversité culturelle : du consensus mou au projet politique
 flechePrivatisation or sharing of cultural identities and diversity?
 flecheMorale et politique
 flecheTemps fragiles
 flecheDématérialisation de l’argent, déresponsabilisation du sujet politique
 flecheDématérialisation de l’argent
 flecheLe GERM : un laboratoire de la diversité culturelle pour comprendre «la globalisation» et les mondialisations
 flecheLa Bonté des maîtres du monde
 flecheProblématique des mondialisations
 flecheLe Monde est-il un village ?
Et peut-il être une Cité ?

 flecheLe cas Napster
 flecheDemocracy
 flecheGlobalisations
 flecheLa controverse de Gênes
 flecheOSCI
 flecheUnemployment
 flecheEconomie de la matrice, cosmopolitique de la diversité
 flecheLe cheval de Troie des Amériques
 flecheThe Napster affair
 flecheDomination
 flecheRien de nouveau sous le Soleil noir de la mondialisation
 flecheDe la mondialisation aux mondialisations : domination ou partage du monde ?
 flecheLe Monde en perspective
 flecheGlobal Village
 flecheFractures (résorber les --- )
 flecheGlobalisation : the law of the strongest ?
 flechePour une ''philosophie des mondialisations''
13
SEARCH
Keywords   go
in 
Translate this page Traduire par Google Translate
Share

Share on Facebook
FACEBOOK
Partager sur Twitter
TWITTER
Share on Google+Google + Share on LinkedInLinkedIn
Partager sur MessengerMessenger Partager sur BloggerBlogger
Other items
where is published this article: