Ref. :  000000026
Date :  2001-01-05
Language :  Portuguese
Home Page / The whole website
fr / es / de / po / en

Fórum vai além da estatização

Entrevista concedida pelo vice-governador do Rio Grande do Sul ao jornal Zero Hora


Em dois anos no exercício do mandato de vice-governador do Rio Grande do Sul, Miguel Rossetto deixou o Brasil por apenas três vezes. Numa delas, foi ao Uruguai assistir à posse do prefeito de Montevidéu, Tabaré Vasquez. Nas outras duas, viajou com o objetivo de divulgar o Fórum Social Mundial. Esse fato demonstra a importância dada pelo vice-governador ao encontro deste mês em Porto Alegre. A escolha do Estado para sediar o Fórum se explica, segundo ele, pela oposição geográfica a Davos, Suíça (sede do Fórum Econômico Mundial) e principalmente pela notoriedade internacional das experiências administrativas do PT (Partido dos Trabalhadores) gaúcho junto à esquerda mundial.

Na sexta-feira, 5 de janeiro, Rossetto concedeu entrevista a Zero Hora em seu gabinete, no Palácio Piratini, sobre os objetivos do Fórum.

Zero Hora - Num chiste judaico sobre a convicção de que o povo de Israel seria o escolhido por Deus, um judeu pergunta: "Mas logo nós?". Se um porto-alegrense fizesse a mesma pergunta diante da eleição de Porto Alegre como capital mundial do movimento antiliberal, o que o senhor diria?
Miguel Rossetto -
Eu diria: que bom que somos nós. O povo de Porto Alegre conhece, vive e tem orgulho de sua experiência de afirmação da cidadania.

ZH - Que experiências locais podem servir de modelo ao movimento antiliberal no resto do mundo?
Rossetto -
A grande experiência é a da participação popular como instrumento articulador do controle social da gestão pública e da preservação e afirmação de direitos sociais. Um dos instrumentos do modelo neoliberal é a desconstituição da estrutura pública.

ZH - Em países com tradição democrática e de organização popular, como os da Europa Ocidental, esse modelo tem algo a acrescentar?
Rossetto -
Esse modelo constitui uma referência nova hoje para a França, a Espanha e regiões da Itália e da América Latina, ao incorporar valores da democracia direta e participativa ao processo da democracia representativa.

ZH - Que países e cidades implementam políticas similares?
Rossetto -
Há experiências positivas de gestão em províncias na India, na Coréia e em municípios na Espanha, na França, na Argentina e no México, entre outras. Esperamos que essas experiências estejam representadas no Fórum.

ZH - Cuba faz parte desse leque?
Rossetto -
Sim. Temos restrições ou avaliações sobre o processo político de Cuba, mas há respeito e solidariedade à experiência do povo cubano, que ousou romper com a condição de prostíbulo americano e constrói com dignidade e coragem uma nação solidária, com justiça e qualidade de vida. Cuba, Venezuela, experiências do campo social-democrata, Africa do Sul, com suas contradições e avanços, exigem acompanhamento por aqueles que querem construir novos projetos nacionais e regionais.

ZH - É casual a ausência de representantes do governo e do Partido Comunista de Cuba na lista de presenças confirmadas ao Fórum?
Rossetto -
Esperamos que Cuba tenha uma representação política importante, mas o corte programático do encontro vai além da idéia de estatização. A convocação do Fórum é definida por dois parâmetros: a crítica e o combate à globalização totalitária e excludente e a afirmação da democracia.

ZH - Na sua opinião, a democracia é um valor imprescindível na crítica ao neoliberalismo?
Rossetto -
Claro. O neoliberalismo carrega em si uma desconstituição da democracia. O crescimento do autoritarismo na América Latina acompanha a hegemonia neoliberal. Para o neoliberalismo, a questão democrática é marginal e acessória. O melhor exemplo é a ditadura chilena. Os processos regressivos no Peru e as medidas provisórias e restrições federativas no Brasil indicam que a democracia sofre um processo de asfixia permanente.

ZH - Isso significa que se pode esperar críticas a eventuais representantes dos governos de Cuba e da Venezuela no Fórum?
Rossetto -
Claro. A amplitude dos cortes programáticos do Fórum permitirá isso. Mas a agenda do debate político hoje não é mais o Muro de Berlim, e sim os muros levantados pelo neoliberalismo. As promessas feitas há 30 anos por esse pensamento - prosperidade, justiça, democracia, inclusão social e preservação ambiental - se revelaram grandes mentiras. A agenda daqueles que têm compromisso com a humanidade é a da superação da barbárie capitalista.

ZH - O Rio Grande do Sul tem problemas sociais graves, como a existência de 300 meninos de rua na Capital, segundo a prefeitura. Isso será discutido no Fórum?
Rossetto -
O Rio Grande do Sul não é uma ilha. Os governos do PT e da Frente Popular nunca esconderam qualquer elemento da realidade. A verdade faz parte da construção da nova sociedade que queremos. Portanto, são verdadeiros e dramáticos os problemas, mas o tema do Fórum é o compromisso de superação desses problemas, que tem resultados positivos no Estado.

ZH - O Banco Mundial, que o Manifesto do Fórum define como um dos condutores da "política devastadora da globalização", é também um dos poucos financiadores de novos projetos da prefeitura e do governo do Estado. A realização do Fórum na Capital pode comprometer as relações com o banco?
Rossetto -
Claro que não. A prefeitura e o governo do Estado estabelecem de forma autônoma e soberana relações com esses organismos, que dispõem de linhas de crédito para programas. O que se discute é a orientação hegemônica da Organização Mundial de Comércio (OMC), do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, que têm uma brutal capacidade de imposição de políticas que infelizmente são assumidas pelas elites nacionais. Essas instituições não têm nenhuma relação de controle democrático ou social.

ZH - O Fórum vai divulgar uma declaração política final?
Rossetto -
É uma idéia que estamos construindo. As conclusões do Fórum vão guardar muito a idéia de programa máximo, amplo. Temos de buscar um equilíbrio entre programa mínimo e máximo. Isso significa reconhecer pluralidades e buscar um grau de organicidade maior entre os participantes. Sairemos do Fórum com compromissos maiores e mais unificados.

Por Luiz Antônio Araújo







Rate this content
 
 
 
Average of 20 ratings 
Rating 2.50 / 4 MoyenMoyenMoyenMoyen
Same author:
 flecheSaramago, José
 flecheO encontro na ótica da imprensa
 flecheOs fóruns de Porto Alegre e Davos no divã
 flecheDavos aplaude a mensagem de Lula
 flecheLula at the World Social Forum
 flecheIntelectuais pedem mudanças em organismos mundiais
 flecheSindicatos de todo o mundo planejam central sindical única
 flecheFSM 2005 – Concert d’ouverture
 flecheFSM 2005 – Camp de la Jeunesse 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 2
 flecheFSM: Um outro mundo pede passagem
 flecheEvento começa nesta quarta em clima de despedida
 flecheDois lados
 flecheNoam Chomsky é uma das estrelas do FSM 2003
 flecheHugo Chávez agita o Fórum Social Mundial
 flecheMeeting
 flecheConfusão na abertura do Fórum
 flechePortas abertas a chefes de Estado
 flecheParticipação de Lula no WEF gera polêmica
 flecheOrganizadores discutem o futuro do Fórum Social Mundial
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 25 países
 flecheAcesso universal à escola custaria US$ 11 bilhões
 fleche"Esperamos que seja a única vez que Lula vá a Davos"
 flecheTenda gigante para receber as estrelas
 flecheGrito dos Excluídos reúne milhares em todo o país
 flechePorto Alegre sedia debates sobre a cultura mundial
 flecheOs temas ocultos da Rio+10
 flecheUm Profeta em Porto Alegre
 flecheFórum Social Mundial produz "calendário de resistência"
 flecheÍndia quer ser sede do Fórum em 2004
 flecheDebate sobre Taxa Tobin chega à exaustão
 flecheChomsky abre conferências sobre a paz
 flecheAtaque a carro-forte tumultua Fórum Social Mundial
 flechePrefeitos lançam rede de cidades
 flecheEsquivel e Karlsson falam sobre globalização
 flecheFórum Social Mundial começa hoje
 flecheGovernador abre as portas do Estado para o Fórum Social Mundial
 flecheJosé Bové desembarca em Porto Alegre
 flecheArgentina em pauta no Fórum Econômico Mundial
 flecheGoverno reforça esquema de segurança durante Fórum Mundial Social
 flecheMST confima presença de José Bové em Porto Alegre
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 26 países
 flecheEvento discutirá os caminhos da paz
 flecheFórum Mundial reúne educadores a partir desta quarta na Capital
 flecheCúpula das Américas marca novo encontro na Argentina
 flecheReunião de cúpula da Alca começa nesta sexta
 flecheAlca excluirá países não-democráticos
 flecheManifestantes destróem lavoura transgênica
 flecheOs idiomas do neoliberalismo
 flecheMultipolaridade e monopolaridade
 flecheFórum Econômico Mundial de Davos termina com importante avanço
 flecheMarcha contra o Neoliberalismo agita Porto Alegre
 flecheComo Mediar os Conflitos e Construir a Paz?
 fleche"Não venderemos o sangue dos nossos filhos"
 fleche"Como Fortalecer a Capacidade de Ação das Sociedades e a Construção do Espaço Público"
 flecheMinistro francês propõe parceria entre Davos e Porto Alegre
 flecheEl portal por un mundo mejor
 flecheFórum Social Mundial começa com polêmica
 flecheFernando Henrique Cardoso e o Fórum Social: Não dá para quebrar máquinas
 flecheSuíços se dividem entre Davos e Porto Alegre
 flecheAs senhas do Fórum
 flecheAquí un mundo mejor ja es posible
 flecheJournal quotidien de l'Etat de Rio Grande do Sul
 flecheUm acampamento contra o tédio
 flecheFórum pela Inclusão Social
 flecheGoverno francês vai a Fórum em Porto Alegre
 flecheOs gerentes do mundo se encontram em Davos
13
SEARCH
Keywords   go
in 
the articles