Ref. :  000000223
Date :  2001-01-31
Language :  Portuguese
Home Page / The whole website
fr / es / de / po / en

Os idiomas do neoliberalismo


A palavra neoliberalismo foi a mais repetida e atacada nas conferências e nos corredores do Fórum Social Mundial, encerrado ontem em Porto Alegre. Mesmo depois de seis dias de discussões, a interpretação da prática mais odiada por políticos, sindicalistas, estudantes e ativistas de esquerda que desde a semana passada circularam pela capital gaúcha ainda não tem uma definição consensual.
Cada um interpreta neoliberalismo de acordo com a bandeira que defende, mas para todos ali está a raiz dos males da humanidade.

As mães argentinas da Praça de Maio, por exemplo, relacionam a doutrina aos filhos desaparecidos. As indianas culpam os chamados neoliberais pela falta de espaço para as mulheres na sociedade.

Zero Hora ouviu 13 participantes do Fórum de nacionalidades diferentes durante a última tarde de debates no Centro de Eventos da PUCRS, que responderam à mesma pergunta: o que é neoliberalismo? Todos afirmaram
se tratar de uma prática ruim, mas o caminho para chegar a esta posição foi tão diferente quanto o idioma que falam.

O professor titular da Faculdade de Filosofia da UFRGS Denis Rosenfield lembra que hoje há muita confusão entre os conceitos de globalização e das políticas neoliberais. Ele explica que globalização é um fenômeno sócio-econômico que repercute em todas as esferas da vida humana, enquanto que o neoliberalismo é um conjunto de idéias que apregoa a desregulamentação indiscriminada do mercado, com a diminuição do papel do Estado. Resistir ao neoliberalismo significa, segundo Rosenfield, contrapor uma política à outra.


O que é o neoliberalismo

Doutrina de idéias que defende a desregulamentação do mercado como um fator essencial da riqueza econômica e sustenta que a partir dela se obtenha a prosperidade social. Está apoiado na idéia de liberdade econômica da qual derivaria a liberdade política, individual e de opinião.


Os idiomas do neoliberalismo

Mike Dolan, 45 anos, São Francisco (EUA). «Não representa nenhuma organização. É uma política econômica imposta ao mundo subdesenvolvido por Washington D.C, especialmente pelas grandes corporações de negócios. É uma coisa ruim para o desenvolvimento do mundo, mas aqui em Porto Alegre estamos começando a escrever o que poderá ser uma alternativa para um novo modelo econômico.

Dada Amitavdyananda, 44 anos, Movimento Ananda Marga, Toledo (Espanha). «Não temos de chamar essa política de neoliberalismo, mas sim de ultraliberalismo, já que é a liberdade completa para que as grandes corporações possam fazer o que quiserem em cada país do planeta. Não respeitam fronteiras, nem a natureza e não têm consideração pelos seres humanos. São tão arrogantes que tratam a questão como se este fosse o único caminho, e ainda dizem que não são extremistas ».

Olga Aredez, 70 anos, Movimento das Mães da Praça de Maio, Província de Jujuy (Argentina). «É uma doutrina diabólica que chega ao mundo e à humanidade trazendo destruição e exclusão. Para impor esse sistema assassinaram e fizeram
desaparecer milhares de pessoas no Terceiro Mundo. Impuseram à força, à bala e com sangue este modelo que produz os desaparecidos sociais, aqueles que estão totalmente excluídos da sociedade por não terem trabalho, não poderem estudar e não poderem comprar seus medicamentos quando ficam doentes».

Marcelo Nervi, 35 anos, Central de Trabalhadores Argentinos (Argentina) «É um modelo econômico, social e cultural que está nas mãos de um capitalismo selvagem que impera em todo o mundo. O neoliberalismo torna muitos setores da sociedade excluídos e marginalizados, principalmente os pobres. O modelo neoliberal domina muitos governos no mundo e decide o futuro de países, inclusive a derrubada ou não de governantes».

Deus Kibamba, 29 anos, Land Rights Research and Advocacy Institute in Dares Salaam, Tanzânia (África). «O neoliberalismo é um sistema internacional que está crescendo rapidamente, pressionado por um pequeno grupo de fortes corporações.
Na África, a discussão social sempre teve prioridade, mas a globalização está mudando isso, e os políticos africanos têm sido os primeiros a violar os direitos humanos».

Henry Saragih, 35 anos, International Via Campesina (Indonésia). «Entre as marcas deixadas no mundo pelo neoliberalismo estão as privatizações e a alta taxação sobre os produtos. Na Indonésia, os reflexos do neoliberalismo estão chegando aos poucos».

David Sogge, 56 anos, Instituto Transnacional de Amsterdã (Holanda). «É uma idéia criada por pessoas, não uma força natural. Vem desde o século passado e hoje esse sistema mostra que com muito poder é possível fabricar idéias. É isso que o neoliberalismo faz. Foi criado por um grupo europeu de economistas e pensadores de direita nos anos 30».

Luca Pellegrini, 32 anos, integrante da Attac, Lousane (Suíça). «Para mim é uma expressão particular de uma fase do capitalismo que se caracteriza por um desenvolvimento do setor financeiro. Tem como elemento principal os fundos de investimento e como conseqüência um aumento da concentração de capital nas mãos de um grupo cada vez menor. Essa concentração aumenta as desigualdades, acentuadas pelo processo de privatização».

Catherine Duvelleroy, 40 anos, Centro de Atendimento Familiar de Caen (França). «A única coisa que o neoliberalismo trouxe para a população foi o crescimento da globalização do mercado e não da população. Se isso ocorresse ao contrário seria muito mais interessante. Em cima estaria o povo e embaixo o mercado. Mas não é assim. O ideal seria utilizar a globalização para benefício das pessoas, mas isso é apenas um sonho que tenho».

Sunkara Punyavathi, 45 anos, integrante da All India Democratic Women's Association, Nova Delhi (Índia). «No meu pensamento há uma palavra que dá o real significado do neoliberalismo: demônio. É um demônio principalmente para as pessoas que vivem nos países de Terceiro Mundo, especialmente para as mulheres».

Robert Jasmin, 58 anos, juiz do Trabalho em Quebec e integrante da Attac, Canadá. «É o pior e mais perverso lado do capitalismo, que cresce muito rápido e ninguém sabe para onde vai. Coloca o lucro e o dinheiro antes de tudo, antes das pessoas, dos direitos humanos, da educação e da cultura. No neoliberalismo as pessoas estão a serviço do dinheiro, do dinheiro perverso».

José Alves da Silva, 36 anos, presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília (Brasil). «Significa fome, miséria, desgraça dos povos e o impedimento que os
países que tentam crescer cheguem ao desenvolvimento. O assunto também
está sendo discutido na Suíça, em Davos, mas lá eles conseguem isolar a realidade do mundo e transformar a concentração da riqueza no assunto principal, enquanto a miséria é distribuída por todo o planeta».

Julen Arzuaga, 28 anos, integrante de Las Gestoras Pró-Amnistia, ONG que defende os direitos dos presos políticos, País Basco (Espanha). «É uma forma de condicionar as pessoas para que elas não possam tomar decisões sozinhas. A origem do neoliberalismo vem dos estados mais poderosos do mundo, que fazem suas políticas guiadas por seus próprios interesses de forma a lhes perpetuar no poder».

Rodimar de Oliveira
Agência RBS




Rate this content
 
 
 
Average of 23 ratings 
Rating 2.09 / 4 MoyenMoyenMoyenMoyen
Same author:
 flecheSaramago, José
 flecheO encontro na ótica da imprensa
 flecheOs fóruns de Porto Alegre e Davos no divã
 flecheDavos aplaude a mensagem de Lula
 flecheLula at the World Social Forum
 flecheIntelectuais pedem mudanças em organismos mundiais
 flecheSindicatos de todo o mundo planejam central sindical única
 flecheFSM 2005 – Concert d’ouverture
 flecheFSM 2005 – Camp de la Jeunesse 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 1
 flecheFSM 2005 - Marche pour la Paix 2
 flecheFSM: Um outro mundo pede passagem
 flecheEvento começa nesta quarta em clima de despedida
 flecheDois lados
 flecheNoam Chomsky é uma das estrelas do FSM 2003
 flecheHugo Chávez agita o Fórum Social Mundial
 flecheMeeting
 flecheConfusão na abertura do Fórum
 flechePortas abertas a chefes de Estado
 flecheParticipação de Lula no WEF gera polêmica
 flecheOrganizadores discutem o futuro do Fórum Social Mundial
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 25 países
 flecheAcesso universal à escola custaria US$ 11 bilhões
 fleche"Esperamos que seja a única vez que Lula vá a Davos"
 flecheTenda gigante para receber as estrelas
 flecheGrito dos Excluídos reúne milhares em todo o país
 flechePorto Alegre sedia debates sobre a cultura mundial
 flecheOs temas ocultos da Rio+10
 flecheUm Profeta em Porto Alegre
 flecheFórum Social Mundial produz "calendário de resistência"
 flecheÍndia quer ser sede do Fórum em 2004
 flecheDebate sobre Taxa Tobin chega à exaustão
 flecheChomsky abre conferências sobre a paz
 flecheAtaque a carro-forte tumultua Fórum Social Mundial
 flechePrefeitos lançam rede de cidades
 flecheEsquivel e Karlsson falam sobre globalização
 flecheFórum Social Mundial começa hoje
 flecheGovernador abre as portas do Estado para o Fórum Social Mundial
 flecheJosé Bové desembarca em Porto Alegre
 flecheArgentina em pauta no Fórum Econômico Mundial
 flecheGoverno reforça esquema de segurança durante Fórum Mundial Social
 flecheMST confima presença de José Bové em Porto Alegre
 flecheFórum de Autoridades reúne prefeitos de 26 países
 flecheEvento discutirá os caminhos da paz
 flecheFórum Mundial reúne educadores a partir desta quarta na Capital
 flecheCúpula das Américas marca novo encontro na Argentina
 flecheReunião de cúpula da Alca começa nesta sexta
 flecheAlca excluirá países não-democráticos
 flecheManifestantes destróem lavoura transgênica
 flecheMultipolaridade e monopolaridade
 flecheFórum Econômico Mundial de Davos termina com importante avanço
 flecheMarcha contra o Neoliberalismo agita Porto Alegre
 flecheComo Mediar os Conflitos e Construir a Paz?
 fleche"Não venderemos o sangue dos nossos filhos"
 fleche"Como Fortalecer a Capacidade de Ação das Sociedades e a Construção do Espaço Público"
 flecheMinistro francês propõe parceria entre Davos e Porto Alegre
 flecheEl portal por un mundo mejor
 flecheFórum Social Mundial começa com polêmica
 flecheFernando Henrique Cardoso e o Fórum Social: Não dá para quebrar máquinas
 flecheSuíços se dividem entre Davos e Porto Alegre
 flecheAs senhas do Fórum
 flecheAquí un mundo mejor ja es posible
 flecheJournal quotidien de l'Etat de Rio Grande do Sul
 flecheUm acampamento contra o tédio
 flecheFórum pela Inclusão Social
 flecheGoverno francês vai a Fórum em Porto Alegre
 flecheOs gerentes do mundo se encontram em Davos
 flecheFórum vai além da estatização
13
SEARCH
Keywords   go
in